skip to Main Content

Quanto custa vender em marketplaces?

Vender em marketplaces é uma estratégia conhecida para ter mais canais de venda e aumentar o faturamento, mas já se perguntou quanto custa vender em marketplaces? Será que, no fim, a conta realmente fecha de um modo positivo para o lojista parceiro?

Uma coisa é certa: o consumidor encontra muita comodidade ao comprar em marketplaces, pois em um só lugar consegue comparar uma enorme variedade de produtos. Além disso, existe o fator confiança: os marketplaces carregam marcas de boa reputação no mercado. Isso significa um fluxo muito maior de pessoas acessando seus produtos.

Por outro lado, temos as famosas taxas, os custos para aumentar sua operação, e o momento da conciliação de repasses (que não custa por si só, mas por ser manual, pode ocasionar erros de cálculo). Hoje, falaremos um pouco sobre esses custos e se eles valem a pena ou não!

Existe custo inicial para anunciar em marketplaces?

Pode sorrir: não há esse custo! O que existe no início da contratação de um marketplace é a apresentação de documentos: cada marketplace pede documentos específicos para fechar a negociação.

E se você for um entusiasta do networking, fazer uma visita presencial ao marketplace pode ser interessante nessa fase inicial. Mas isso é opcional, exceto em casos específicos.

E o investimento operacional?

Para começar bem, você deverá estar preparado em relação a:

  • Estoque inicial
  • Custos operacionais e logísticos
  • Recursos humanos (equipe enxuta) + ferramentas de integração e gestão
  • Pagamento da comissão por venda realizada (varia conforme canal e categoria)

Nesse ponto, o gasto dependerá muito do seu segmento de mercado, sua localização e o momento do seu negócio. Tudo isso impactará não só nos seus custos, mas também na sua precificação.

Quais são as taxas dos marketplaces?

Funciona assim: a cada venda, existe um percentual cobrado do seller pela negociação fechada (fee) dentro da plataforma. Essa taxa de comissão por venda gira entre 16% e 20% em média para a maioria dos marketplaces do país.

Dentro dessa taxa, estão incluídos os custos com:

Marketing – 6%

Sistema Antifraude – 1%

Gateway – taxa administrativa da operação – 3,5%

Antecipação AVP – venda a prazo e recebimento do dinheiro – 8%

SAC – 1%

Charge back – valor não reconhecido pela operadora – 1%

Custo fixo – mão de obra/aluguel/TI/investimento – 2%

Essa porcentagem varia de acordo com a categoria do produto. Veja a lista da média de comissão de cada marketplace.

Ok, mas e os custos do e-commerce próprio?

O e-commerce não vem com tudo “pronto” como os marketplaces. Por isso, o gasto inicial e os custos ao longo da operação são um pouco maiores, em torno de 22%. Esses custos envolvem:

  • Estoque inicial
  • Plataforma/ mensalidade da plataforma
  • Gateway de pagamento
  • Segurança (antifraude, SSL, blindagem)
  • Soluções de pagamento
  • ERP/ mensalidade do ERP
  • Marketing e agências
  • Custos operacionais e logísticos
  • Capital de giro (para vendas à prazo)
  • Recursos humanos (equipe gerencial e técnica/ SAC/contador/treinamentos) + ferramentas de gestão

Isso não significa que não seja positivo ter o próprio e-commerce. A ideia é que, se o seu investimento inicial está curto, talvez seja interessante começar nos marketplaces e depois estruturar seu e-commerce.

Para quem já tem um e-commerce, observe como está se saindo em questão de preço, entrega e atendimento. Esses são os 3 pontos principais da operação em marketplaces, e se você estiver tirando de letra, pode expandir suas vendas para esses canais.

Conciliação de repasses: a hora de enxergar o lucro

Então você já contratou um marketplace, já fez aquele atendimento impecável, entregou o produto com maestria… e depois? Será que na hora de receber, tudo sairá como o esperado?

O repasse é o processo em que o valor líquido das vendas é depositado no cadastro do lojista. Cada marketplace trabalha com um tipo de comissionamento, e repassam os valores em uma data específica. Veja a porcentagem da comissão dos marketplaces e datas de repasses.

Diante disso, pode ser desafiador para o lojista calcular as conciliações manualmente, pois deve-se olhar para os pedidos um a um. Imagine o quanto é arriscado errar na conta!

A boa notícia é que esse momento tão esperado não precisa ser complicado desse jeito: a conciliação automática já existe, e poupa o tempo do lojista para se dedicar a otimizar a operação e vender mais. Você sabia que o Koncilia é o promeiro software para a conciliação automática dos repasses dos marketplaces? Entenda a conciliação automática.

Conclusão

Aqui, você entendeu todos os percentuais que existem na venda em marketplaces. Comentamos também dos gastos de investimento operacional, como o estoque.

Se vale a pena? Bom, a venda em marketplaces tem grandes vantagens para quem precisa alcançar o maior número de consumidores possível, e prefere se apoiar na boa reputação de uma marca já consolidada. Diante dessa possibilidade de volume de vendas, sim, vale e muito a pena vender em marketplaces. Basta organizar e planejar muito bem suas vendas para conquistar o público que encontrará seus produtos por lá.

E claro, para enxergar todos os benefícios, não se esqueça de conciliar os repasses e garantir que todos os valores estejam corretos. Assim, você vende muito e fatura bem, sem prejuízos no susto.

Continue acompanhando o blog do Koncilia para entender mais sobre como ver o lucro nos marketplaces com clareza.

Até o próximo artigo!

Equipe Koncilia

Koncilia é o primeiro software de conciliação de pagamento dos marketplaces do mercado. Nosso objetivo é verificar se há divergência nas comissões e controlar os recebíveis dos marketplaces aos e-commerces de maneira mais automatizada, ágil e prática.

Back To Top